Getúlio

Acabei de ler Getúlio 1882 – 1930. Uma boa leitura, algo que consegui ler até no ônibus durante as viagens Fortaleza-Quixadá. Como o lançamento é recente, não faltam avaliações de gente mais competente em jornais ou outros blogs. Prefiro falar sobre o que aprendi sobre a figura de Getúlio do que sobre os méritos literários do livro.

Não há como falar de Getúlio sem falar do Rio Grande. E não há como falar do Rio Grande de Getúlio sem mencionar a Revolução Federalista. Foi um conflito sangrento logo após a Proclamação da República que dividiu o estado por anos. De um lado, os “maragatos” que faziam oposição ao modelo da república recém criada. Do outro, os “pica-paus”, seguidores de Júlio de Castilhos, governador rio-grandense e vedete do positivismo brasileiro. Com o apoio federal, os “pica-paus” venceram, porém o sangue derramado manchou as relações políticas gaúchas por muito tempo. As estimativas são de 10.000 mortos. O pai de Getúlio, o veterano da Guerra do Paraguai Manoel Vargas, foi “pica-pau” e essa foi a vertente política adotada pela família. Acho que até que o livro poderia dedicar um pouco mais de atenção a Revolução Federalista, mas como é uma biografia de Getúlio, natural considerar que o leitor já tenha conhecimento de eventos importantes da história do Brasil.

Getúlio desenvolveu sua carreira política em um estado onde brigar com a oposição não significava apenas por em risco a governabilidade, pois sempre havia a possibilidade real de desentendimentos levarem a uma guerra civil. Talvez por isso, nos anos posteriores, ele demonstrou uma hesitação em romper abertamente com Washington Luís que quase levou à loucura seus aliados mais próximos, como João Neves da Fontoura e Osvaldo Aranha. E são os capítulos finais, que relatam toda a organização política para formação da Aliança Liberal e do Golpe de 30, que fornecem os momentos mais emocionantes do livre. É possível sentir nas páginas a tensão em que Getúlio se encontrava, forçado a tomar uma posição contra o governo do qual fizera parte como ministro. Para mim, fica sempre a dúvida: era Getúlio muito cauteloso ou um verdadeiro mestre Sith, sempre moldando a realidade de acordo com seus desejos, sem nunca se expor totalmente.

Uma boa leitura. E com certeza irei atrás das outras biografias escritas pelo Lira Neto, em especial a de Padre Cícero.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: